Blog dedicado a Arte, Cultura, Turismo, Lazer e Naturismo com foco inicial na cidade de São Paulo / SP - Brasil.
Licença Creative Commons
Blog Projeto o nu na arte by Sergio S. Pereira is licensed under a Creative Commons 3.0 Unported License:
Atribuição - Uso não comercial - Não a obras derivadas.
Blog elaborado em conformidade com: Lei 9.610/98. Este Blog respeita leis internacionais de Direitos Autorais.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

PATEO DO COLÉGIO

PATEO DO COLÉGIO
Aqui nasceu a cidade de São Paulo

Galeria de obras de arte pública Página:   1   2   3   4   5     












Ilustração obtida no livro "História do Brasil", edição 1958, da Editora C.E.N. A origem desta ilustração é desconhecida.

O Cacique Tibiriçá, chefe da nação Guaianaz, foi um grande colaborador e amigo dos jesuítas. Foi amigo dedicado de Martim Afonso de Souza, a quem seus esforços ajudaram a acelerar o progresso da Capitania de São Vicente, no litoral de São Paulo, e a colonização paulista.

Na ilustração ao lado vemos Martim Afonso de pé, à frente do escrivão da armada, observando Tibiriça conversar com um intérprete, na época de sua chegada ao litoral paulista. Atrás do escrivão está o brasão de armas de Martim Afonso. Repare a indumentária pesada de Martim Afonso. Como aguentar o calor tropical do litoral com uma roupa dessas ? E nem havia desodorante nessa época. Já imaginou... Os índios, os mais remotos nudistas do mundo, parecem estar muito mais confortáveis dos que os seus visitantes europeus, não acha ?

Em 9 de Julho de 1562 a Vila de São Paulo foi alvo de um ataque em massa pelos índios tupi, guaianás e carijós, chefiados por seu próprio sobrinho Jagoanharo. Os atacantes foram repelidos por Tibiriçá, mas ainda não tinha chegado a paz.



Em 10 de junho de 1562, os Tupis e Carijós chefiados pelo irmão de Tibiriçá, Arari, atacaram a vila de São Paulo, sendo derrotados por Tibiriçá e seus guerreiros. Tibiriçá foi o primeiro índio a ser catequisado pelo padre Anchieta, tomando o nome cristão de Martim Affonso, em homenagem ao seu amigo português.

Calcula-se que Tibiriçá nasceu, provavelmente, em 1440 e faleceu em 25 de dezembro de 1562. Segundo relatos, foi um natal triste para os indígenas, que acompanhavam há muito tempo o definhamento do já idoso cacique, vítima de longo mal. Sua cripta encontra-se no interior da Catedral da Sé, no centro de São Paulo. Susana Dias, sua neta, fundou em 1580 uma fazenda a oeste de São Paulo, próximo ao uma cachoeira que os nativos chamavam de "Parnaíba", hoje transformada na cidade de Santana do Parnaíba.

A história do Cacique Tibiriça e as ocasiões em que foi impelido a combater seus próprios parentes em defesa dos jesuítas que realizavam uma obra educacional cheia de sacrifícios para os próprios nativos da região me faz lembrar o dilema do Principe Arjuna que deveria combater e, se necessário, matar seus parentes, incluindo seu tio, por terem eles formado uma legião do mal que ameaçava os cidadãos inocentes que viviam em seu principado. Este conflito interior de um guerreiro obrigado a fazer algo, que considera errado, em nome da defesa do bem é o centro do épico Baghavad Gita, escrito muito antes do nascimento de Cristo na India (país cujos cidadãos denominavam nesse passado longínquo como Barat). A ilustração de armas e utensílhos indigenas foi obtida no livro "História do Brasil", edição 1958, da Editora C.E.N. A ilustração é uma reprodução da obra de Debret "Viagem pitoresca pelo Brasil"

Galeria de obras de arte pública Página:   1   2   3   4   5